Gabigol revela qual fundamento precisa aprimorar no Flamengo

Gabriel Barbosa chegou ao 100º gol com a camisa do Flamengo ao marcar na vitória contra o Bahia, na última quinta-feira (11). Não à toa, o camisa 9 foi homenageado pelo clube e participou do programa ‘Resenha do Craque’, na FlaTV. Dentre todos os tentos convertidos, 40 foram de primeira, e o atacante, inclusive, achou o fato curioso.

— Eu não sabia desse dado. Que legal! Eu sempre tento fazer gol de primeira, claro que é difícil, mas eu ganho mais vantagem sobre o goleiro e marcação. É um gol bem difícil e acho muito bonito (contra o Fortaleza).


Quer comprar produtos do Flamengo pela internet? Conheça a loja mais rápida e segura!


Além disso, Gabi possui 95 gols dentro da área e, somente, cinco foram marcados de fora da área. Em meio a isso, o atacante projeta uma ‘mudança’ para aumentar este número e balançar as redes cada vez mais com bolas de longa distância Por fim, o camisa 9 relembrou uma comemoração beijando o gramado do Maracanã e abriu o jogo sobre o motivo.


— Não sabia que tinha mais gols de dentro da área, vou tentar treinar mais e melhorar meus números de fora da área. Quero melhorar muito. Existem alguns jogos que passam batido para torcida, mas que são especiais para nós e eu lembro de um gol assim, fora da área, quando eu não sabia que ia ficar e beijei o gramado.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Falta tb aprimorar o cabeceio. A é fraco nesse fundamento.
    Mas é sempre bom lembrar que Ronaldo Nazário virou “Fenômeno” tb sem saber cabecear, ou seja, em sua brilhante carreira não fazia quase gols de cabeça. Gabigol precisa melhorar nisso, mas não é tão fundamental assim.
    Quanto aos chutes de fora da área, é um problema não só dele mas de todo o Flamengo. O time não chuta de média e longa distância, acham que podem entrar na área toda hora tabelando o tempo todo e fazer gol já em cima da linha. Não sei o que o Renato está esperando pra treinar os chutes de longe, ideal para furar defesas muito fechadas, e me admira muito que a maioria dos jogadores, tendo tido alguma experiência, pequena que seja, no futebol europeu, onde isso é comum, não explorem mais esse recurso. O único que faz isso sempre que pode é o Andreas. O resto quer entrar tabelando, dando caneta no zagueiro e chapéu no goleiro. Tem hora que não dá. Felizmente Gabigol já “percebeu” isso…